Junkembo Restaurant & Terrace: Elegância e Bom Gosto na Mutamba

In Angolan, Bars, Features, Fusion, Lounge, Mediano / Average $$, Mediterranean, Mutamba, Portuguese, Restaurants by Luanda Nightlife3 Comments

Publireportagem | Sponsored Post

Click here for English

Durante anos, a noite e o convívio na baixa de Luanda – concretamente na Mutamba – simplesmente não existiam. Depois do expediente, as pessoas fogem desta zona para bairros mais alegres, mais iluminados, mais convidativos: Ilha do Cabo, Maculusso, Maianga. E a Mutamba vira deserto.

Felizmente, com a abertura de certos restaurants, esta tendência começa a mudar. Resplandecente no seu edifício vermelho, um antigo armazém do tempo colonial convertido agora em espaço de lazer, o novo Junkembo Restaurante & Terrace nasce do sonho de um casal que vive e trabalha em Luanda.

“Sentimos falta de um espaço como o Junkembo no centro de Luanda,” conta-nos a proprietária, Rita Camolas. “Aliamos a boa comida a um espaço agradável com terraço, onde num final do dia podemos reunir com amigos ou família num ambiente descontraído.”

Contra a maré, não só económica como também cultural, o Junkembo procura agora devolver um pouco de vida à Mutamba. E pelos indícios iniciais, a aposta tem sido bem recebida pelos luandenses. “Felizmente, fomos muito bem recebidos,” confirma Rita. “Só temos a agradecer aos nossos clientes.”

O Espaço

O restaurante Junkembo está dividido em dois ambientes: a sala de jantar, no piso térreo, e o terraço, ao ar livre. No terraço servem-se cocktails e petiscos; as refeições mais robustas são servidas apenas na sala de jantar.

A decoração deste lugar – tanto o terraço como a sala principal – é um dos pontos seus pontos fortes. É uma decoração que denota bom gosto, uma decoração que se faz notar pela sua elegância e simplicidade. A sala de jantar tem um pé direito alto que nos oferece a sensação de grandeza e amplitude; a luz natural entra pelas enormes janelas mesmo entre o cortinado e ilumina as mesas de madeira.

No Junkembo, as paredes são vivas. Pintadas de branco ou em tons de cinza, uma delas contem terrários pendurados, enquanto que outra foi transformada numa pequena garrafeira. A que talvez chama mais atenção é a que acolhe uma obra de arte exclusiva  de Thó Simões, à venda para o público. Quando for vendida, será substituída por outra, feita por outro autor local. Faz parte do ethos do restaurante.

Diz-nos a proprietária: “Tudo o que encontra no Junkembo de decoração foi feito em Angola e pretendemos com isto, e não só, que o espaço tenha uma imagem representativa da terra. Para isso também temos uma parede onde iremos todos os meses expor peças de arte de diferentes artistas nacionais. Gostaríamos de certa forma de contribuir para divulgação da cultura e arte nacional.”

No Terraço vemos um ambiente ecléctico: bancos corridos, mesas de madeira, pequenas “cabanas” se assim as podemos chamar, e um segundo bar. Em noites de jogos de futebol o mesmo é projectado numa das paredes, e de vez em quando aparece um DJ que anima um pouco mais a coisa. O terraço abre ao público a partir das 17h00.

“Com o nosso espaço pretendemos fazer com que os nossos clientes se sintam em casa, criando um ambiente descontraído e com um toque de sofisticação,” explica-nos Rita.  “Pretendemos que seja um espaço alegre, respeitando o próprio significado de nkembo (alegria). As iniciais JU são uma homenagem a uma grande senhora que temos o privilegio de conhecer, e que também irradia alegria apesar da sua idade avançada!”

A Gastronomia

A cozinha do Junkembo, liderada pelo chef angolano Pedro Espanhol, é focada em sabores que nos são familiares. É uma cozinha com forte influência portuguesa, mas onde sobressaem alguns apontamentos angolanos, asiáticos e sul-americanos. É, portanto, um menu diverso. “Uma junção de diferentes sabores do mundo,” confirma o chef. Entre as entradas encontramos sugestões como ceviche, guacamole com banana frita, e croquetes de alheira, entre várias outras; as opções de pratos principais incluem linguini negro com camarão, picanha, polvo no forno, e naco de atum. Entre as sobremesas, as panacottas e o brownie destacam-se.

Uma típica refeição no Junkembo

Começamos pelo choco frito, uma homenagem a um prato bastante comum em qualquer restaurante luandense. Este é servido com molho cocktail e limão, que prontamente esprememos sobre o ainda estladiço choco. É servido num recipiente que nos faz lembrar as latas de conservas portuguesas, por cima de uma tábua de pedra negra.

Entre os pratos principais, o chef Pedro Espanhol destaca o naco de atum com salada de rúcula com laranja, morango e vinagre balsámico, servido com puré de batata; outro prato que o chef destaca é a sua interpretação do clássico bitoque: naco de vazia coberto pelo ovo escalfado em vez de frito, servido com chips de batata doce e esparregado de espinafre.

Mas para nós, o grande destaque, e um prato diferenciador do Junkembo, é o caril tailandês. É outra das especialidades do chef Espanhol; desconhecemos outro restaurante aqui em Luanda que o faça.

A sobremesa preferida do chef é o Brownie, servido com gelado de baunilha e caramelo.

O que beber

Opte pela generosa carta de vinhos, a maioria dos quais portugueses, ou os cocktails da casa. Há várias para provar, e os nossos leitores têm dito coisas giras sobre o bar da sala do jantar.

Nascemos na crise…”

Apesar da crise econômica, em Luanda abrem novos espaços todos os meses. Perguntamos à gerência se a crise não era um empecilho ao pleno desenvolvimento do restaurante. “O Jukembo nasceu na crise,” começa Rita. “Como todas as crises, tem as suas coisas positivas e o Junkembo é a prova disso, não seria o mesmo senão fosse esta crise,” disse.

“Em que sentido?” perguntamos.

“Passo a explicar: talvez se não fosse a crise não teríamos descoberto fantásticos artesãos nacionais que nos apoiaram no desenvolvimento deste projecto. Com a crise temos que repensar menus de forma a garantir que usamos produtos de produção nacional. O pior desta situação são os aumentos dos preços de produtos que não é uma situação contornável de todo.”

A formação da equipa do restaurante, por exemplo, é assegurada pelo gerente, o Sr. Miguel. “Contratamos para gerente um senhor com formação e experiência de 20 anos na área, e tem sido ele que tem se encarregado da formação da equipa,” elabora a gerência. “Contudo, temos enviado colaboradores para formações especificas e assim o continuaremos a fazer; acreditamos que nesta área, como em qualquer outra, para mantermos qualidade teremos que apostar na formação de colaboradores.”

Ao sair…

Sair? Ainda não. Suba para o terraço; é um dos únicos nesta parte da cidade. No terraço do Junkembo não são servidos os pratos principais; é um sítio para petiscar e apreciar um fino, um cocktail, um vinho do porto ou o café do fim da refeição. Mas não só.

“Pretendemos dinamizar o lado cultural do Junkembo numa primeira fase. Estamos a organizar concertos no nosso terraço e passaremos a ter dias fixos semanais com musica ao vivo, para além de DJs,” conclui a proprietária.

E o que nos reserva o futuro…?

“Estamos a desenvolver novos pratos, alguns deles alternativas para vegans e vegetarianos. Os outros planos serão surpresas!”

Junkembo
Rua Pedro Felix Machado nº 26
+244 990 976 689
Preço médio por refeição: $$$$ (7.000 AKZ)
junkembo.luanda@gmail.com

O Junkembo fica localizado em frente ao Arquivo Histórico de Angola, entre a Clínica da Mutamba e o Eat Eat do Largo Serpa Pinto (também conhecido como Largo Amílcar Cabral).


For years, downtown Luanda – and specifically the Mutamba neighborhood – were bereft of nightlife options. After work, people would hurriedly relocate to more enticing, better lit, more inviting areas: Ilha do Cabo, Maculusso, Maianga. And thus Mutamba becomes a desert. 

Thankfully, with the arrival of certain restaurants into the neighborhood, this tendency is starting to change. Regal in its red façade, and built inside a colonial-era converted warehouse, Junkembo Restaurant & Terrace is the brainchild of a couple that lives and works in Luanda. 

“We felt that downtown Luanda was missing a place like Junkembo,” shares the owner. “We thought of providing good food in an enjoyable place with a terrace, where you can have a late-afternoon drink with friends or family in a laid back environment.”

Agains the current, both economic and cultural, Junkembo seeks to breathe some new life into Mutamba. And judging from its early days, Luandans have responded positively. “Thankfully, we’ve been very well received,” confirms the owner. “We’re so thankful to our clients.”

The Space

Junkembo is divided into two areas: the dining room, on the ground floor, and the open-air terrace on the first floors. The terrace serves cocktails and small plates; more robust meals are sold only in the dining room. 

This restaurant’s décor – both in the terrace and in the dining room – is one of its strong points. It denotes good taste based on simplicity and elegance. The dining room has high ceilings that convey a sense of grandeur and spaciousness; natural light filters in through the light curtains covering the enormous windows and illuminates the wooden tables.

At Junkembo the walls are alive. Painted white and in shades of gray, one of them hosts a group of hanging terrariums while another has a vertical wine rack of sorts. The wall that perhaps attracts the most attention is the one from which a large, exclusive painting by Angolan artist Thó Simões rests. You later find out that it’s actually on sale; when it is inevitably sold, another painting by another local artist will take its place. The exchange of art is part of the restaurant’s reason for being. 

“Everything you see at Junkembo in terms of art and décor was made here in Angola,” explains the owner. “We want the the space to represent the country it’s in. That’s why we have a wall in which artwork by different local artists will be displayed every month. We want to be able to promote, in whatever way, local art and culture.”

The Terrace follows a similar, down-to-Earth yet eclectic theme: booths, wooden tables, little “cabana” type structures, and a second bar. When there is football on, the game is projected onto one of the walls, and on Thursdays there’s live music, while on weekends there’s a DJ. The Terrace opens at 5pm.

“We want our guests to feel at home here at Junkembo, in a laid-back but somewhat sophisticated environment,” shares management. We want it to be a joyful place because we respect the meaning of the word nkembo (joy in kimbundo, a local Angolan language). The initials JU are a homage to a great woman that we have the privilege of knowing and that also shares her joy despite her advanced age!”

The Food

Junkembo’s kitchen is led by Angolan chef Pedro Espanhol, and its focus is on familiar yet intercontinental tastes. The main influences is Portuguese gastronomy, with some nods to Angolan, Asian and South American flavors. As such, the menu is rather diverse. “It’s a combination of different flavors from around the world,” confirms the chef. Among starters you’ll see options like ceviche, guacamole with fried bananas, and alheira croquettes, among several others; choices for the main course include squid-ink linguini with shrimp, picanha, braised octopus, and tuna steaks. Desserts include panacottas and brownies served with ice cream.

A Typical Meal at Junkembo

We started with the fried cuttlefish, so common in most Luandan restaurantes. Junkembo’s version is served with cocktail sauce and lemon, which you squeeze over the crispy morsels. It’s served in a recipient that remind us of the Portuguese cans used to store sardines; the recipient rests on a black stone plate.

For the mains, chef Pedro Espanhol recommended the tuna steaks served with an arugula, orange, and strawberry salad drizzled with balsamic vinegar, accompanied by mashed potatoes. Another option highlighted by chef Espanhol is his interpretation of the classic bitoque: NY strip steak topped with a poached egg and served with sweet potato chips and spinach. 

But for us, perhaps the main highlight is the Thai curry, so difficult to get here in Luanda. It’s one of chef Espanhol’s specialties and a dish hard to come by in Luanda.

What to drink

Do peruse the generous wine list (the majority of them are Portuguese), or the house cocktails. There are several you should try – our readers are big fans of the downstairs barman. 

“We were born in the crisis…”

Notwithstanding Angola’s economic crisis, Luanda sees new restaurant and bar openings every month. We asked management if opening a restaurant in the midst of an economic crisis wasn’t a massive challenge. “Junkembo was born in the crisis,” starts the owner. “Like all crises, there are positive aspects and Junkembo is proof of this. It wouldn’t be what it is if it wasn’t for the crisis.”

“How so?” we asked.

“Let me explain: maybe if it weren’t for the crisis we wouldn’t have found these fantastic local artisans that helped us with the development of this project. With the crisis we have to rethink our menu to make sure that we’re using locally produced ingredients. But the negative aspect is the steady rise of the price of products, it’s a situation that we cannot escape.”

Same with training. To cut down on costs, Junkembo’s waitstaff was trained in-house by the manager, Mr. Miguel. “We hired him because he has over 20 years of experience in this field, and he’s the person responsible for training our staff,” shares the owner. “However, we’ve sent some waiters for specific training and we will keep doing so; we believe that in this area, like in any other, we need to invest in our staff’s training so that we can maintain our quality.”

As you leave…

Leaving already? Not yet. Head up to the terrace – it’s one of the only ones in this part of town. At the terrace you won’t be served lunch or dinner; it’s the ideal place to have a small plate (called petiscos here in Angola) and a draught beer, a cocktail, some port wine or perhaps a coffee. But that’s not all…

“We want to promote Junkembo as a cultural spot as well,” confides the owner. “We’re organizing intimate concerts on our terrace and we’ll soon have fixed days of the week with live music and DJ’s”.

And what does the future hold…?

“We’re developing new dishes, some of which will be vegan and vegetarian alternatives for our customers. Other plans will be a surprise!”

Junkembo
Rua Pedro Felix Machado nº 26
+244 990 976 689
Avg. Price: $$$$
junkembo.luanda@gmail.com

Comments

  1. Aguy Quiar

    Ao endereço do espaço poderia/deveria ser adicionado referências para a sua localização pois os nomes formais das ruas pouco ou nada nos dizem…

    1. Author
      Luanda Nightlife

      Obrigado pelo reparo, já adicionamos o mapa e as referências.

Leave a Comment